QUEM SOU EU

 

  Nasci em 1967 e cresci no Bairro Navegantes, na parte que hoje é o Bairro Humaitá, lá em Diretor Pestana, onde ficava o recinto da Rede Ferroviária Federal S.A. (RFFSA), porque sou neto, filho e sobrinho de ferroviários. Ali formei meu caráter vendo que o trabalho dignifica. Mas a lição mais preciosa vinda de casa, de um pai aposentado por invalidez, é de que a única coisa que realmente importa é a EDUCAÇÃO e a CULTURA. E isso jamais deve ser sonegado a nenhuma criança ou jovem.

  Estudei na antiga Escola Normal Primeiro de Maio, na Av. Presidente Roosevelt, onde fui alfabetizado e concluí o ensino fundamental (1º grau). Dessa época conservo os amigos dos Bairros Anchieta, Vila Farrapos, Navegantes, São João e São Geraldo. Depois, de 1983 a 1985, cursei o ensino médio no Colégio Champagnat, onde convivi com o Bairro Partenon e de onde tenho amigos que levo para a vida toda. Lá foi a base do inicio da minha vida adulta, onde na adolescência comecei a formar as futuras escolhas políticas e profissionais. Os maristas, com sua filosofia educacional humanista e tantos outros professores de espírito crítico incutiram em mim e no colegas de geração, a indignação por uma país melhor. Estávamos em pleno de reabertura democrática e em 1984, como Presidente do Grêmio Estudantil, como tantos, começamos a ir para as ruas e participar do Movimento das Diretas Já. O Brasil tinha derrotado a ditadura militar e queria votar, depois de 21 anos, para Presidente da República. Tivemos que nos contentar com a eleição indireta de Tancredo Neves, em 1985, no Colégio Eleitoral.

 

  Nesse momento, influenciado por bons mestres, devido às leituras críticas de tudo que caía nas mãos e a participação no movimento estudantil, afirmei minha convicção pela área das ciências humanas. Em 1986, fui aprovado nos vestibulares para Ciências Sociais, na UFRGS (curso não concluído) e Direito na PUCRS, onde me formei em 1991. Ao longo do Curso de Direito, trabalhei como bancário e e como estagiário em escritórios de advocacia. Mas foi nos grupos de estudos e pesquisas e como bolsista de iniciação científica que decidi que além de advogado, seria professor universitário.

Uma vez formado, obtive uma bolsa de estudos do governo italiano, para estudar e pesquisar no Centro de Estudos Latino-Americanos da II Universidade de Roma (La Tor Vergata), Direito Constitucional e Internacional Comparados sob a orientação dos Professores Massimo Panebianco e Umberto Leanza.

 

  De volta ao Brasil em 1993, comecei imediatamente a lecionar disciplinas relacionadas com o Direito Público (Direito Constitucional, Direito Administrativo, Direito Financeiro e Tributário). A minha primeira oportunidade foi a de ser professor para a primeira turma de formandos da ULBRA. Depois lecionei na PUCRS, na UNISINOS, na UFRGS, na UCS, em Bento Gonçalves, na FISUL, na UNIVATES e no IPA.Nesse tempo cursei Especialização em Ciência Política na PUCRS (1995) e Mestrado em Direito Público na UNISINOS (2002). Escrevi artigos, realizei  pesquisas, orientei alunos. Também fui, durante algum tempo, palestrante na Escola da Magistratura da AJURIS e em cursos de pós-graduação. Convidado, lecionei em cursos de preparação a concursos e integrei bancas de concursos públicos.Eventualmente participei da Administração Pública, ocupando cargos na área jurídica. De 1999 a 2002, fui Coordenador Executivos do PROCON no Estado do Rio Grande do Sul, onde pude desenvolver uma defesa consistente dos consumidores gaúchos e porto-alegrenses, já que na época não existia PROCON Municipal na Capital.

 

 Sempre que pude e posso, colaboro com a minha entidade de classe, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/RS). É ali que a advocacia ganha a dimensão da cidadania. Sempre fui advogado militante, porque acredito que minha palavra e a minha consciência devem estar a serviço da defesa daqueles que precisam de justiça. Nós, advogados, que honramos as vestes talares negras que vestimos nos Tribunais, somos quem emprestamos nossa voz aos que emudeceram diante das ilegalidades e abusos.

 

  Por isso sou grato a Porto Alegre. Essa cidade deu-me deu os locais e os ambientes onde pude vivenciar e, ainda hoje, consigo viver tudo o que aprendi a amar. Embora ande pelo mundo é aqui que gosto de voltar sempre. Aqui casei, nasceram minhas filhas, me divorciei e enterrei meus pais e meu irmão. É aqui que estão as minhas lembranças, os meus afetos, os meus amores.

  Porto Alegre é a casa da gente e precisa ser cuidada. Por isso decidir tentar disputar uma vaga de vereador nas eleições de 2020. Para retribuir  e  ser uma espécie de zelador da cidade.

  E a gente cuida daquilo e daqueles a quem a gente ama.