PROPOSTAS PARA A CULTURA EM PORTO ALEGRE 

1. Garantir as verbas nas dotações orçamentárias, nas mais diversas áreas culturais, ouvindo e integrando os agentes culturais em atividades conjuntas e coordenadas pela SMC, democratizando o acesso aos editais públicos, prêmios e recebimento de recursos, além do uso de espaços culturais de forma a incentivar as produções locais;

2. Valorizar as atividades da cultura tradicional e integrar os que são diferentes e estão excluídos oferecendo oportunidades mediante a descentralização das atividades e produções culturais para os bairros e as vilas.

3. Propor medidas legislativas para que o Município de Porto Alegre, sozinho ou em parceria com iniciativa privada seja indutor de atividades voltadas à criação de polos ou incubadoras de economia criativa, gerando processos, ideias e empreendimentos que usem a criatividade como destaque para a criação de produtos e bens nos mais variados segmentos culturais.

4. Monitorar a integração da cultura na escola como instrumentos socializadores. Integrar a cultura aos processos de ensino-aprendizagem, levando em consideração aos pressupostos curriculares cooperativos para que assim o ambiente escolar se torne favorável aos alunos de todos os grupos sociais, étnicos e culturais. Buscar formas de integrar as escolas da rede pública municipal de de modo a viabilizar maior acesso à cultura para professores e alunos. Propor a  criação de um passe cultural escolar que dê acesso livre à produção local com recursos públicos advindos de editais da SMC e descontos em espetáculos privados realizados em espaços públicos municipais;

5. Dinamizar e descentralizar as atividades do Calendário Cultural de Porto Alegre para agregar atividades culturais durante todo o ano, com atenção especial nos meses de verão, de forma a incrementar os espetáculos e shows na cidade. Incentivar os blocos no Carnaval de Rua sem limitações e burocracia que tiram a naturalidade da manifestação popular é vital para a retomada das festividades carnavalescas.

   

6. Incentivar a ocupação da área central da cidade e entorno, com produções culturais a fim de que haja uma ocupação pelas pessoas e famílias e aumente a demanda de investimentos públicos de valorização do espaço urbano, como iluminação, limpeza, conservação e segurança. Uma cidade ocupada diminui o foco de abandono e violência.

  

7. Debater a criação de programas culturais e artísticas voltadas ao acesso do público da terceira idade, facilitando a convivência e sociabilidade. Incentivar  a realização de atividades culturais em asilos e casas de repouso.

 

8. Valorizar os espaços e imóveis sem ocupação no 4º Distrito, dando-lhes uso e finalidade cultural, mediante a criação de galpões voltados à espetáculos, shows, entretenimento e gastronomia, inclusive com incentivos fiscais. Também buscar um  melhor aproveitamento dos galpões do Cais do Porto Mauá, dedicando-os às atividades culturais, oficinais, ateliês, salas de projeção ou galerias.

 

9. Incentivar no mandato parlamentar todos os mecanismos e incentivos para a capacitação de mão-de-obra qualificada para atuar na área cultural, mediante cursos de formação profissional (Qualificar Cultural) e oficinas, em cooperação com as agências de emprego e renda.

 

10. Envolver a comunidade porto-alegrense em modos de renovar e ampliar o acervo das bibliotecas municipais. Descentralizar os programas de leitura e literatura colocando as crianças das escolas da rede municipal de ensino em contatos com escritores e oficineiros de literatura. Incentivar a criação de ônibus-bibliotecas itinerantes nos bairros e na periferia;

     

Tudo isso porque acredito que a cultura é fundamental para desenvolver pessoas e o ambiente no qual elas vivem, sendo uma forma de progredir e desenvolver as potencialidades da cidade.

 

E porque a política é para a felicidade das pessoas.